2013 é o Ano Paulo Freire da Educação no Rio Grande do Norte

A crise econômica que se abateu sobre o Brasil a partir da revolução de 1930 contribuiu para a necessidade de uma revolução cultural e econômica. A experiência de Angicos estava inserida nesse contexto, no qual também estavam a construção de escolas e a formação de professores no Rio Grande do Norte.

Em abril de 1963, com o fim da experiência, saem os resultados da avaliação do aprendizado do experimento: 300 participantes são considerados alfabetizados, com 70% de aproveitamento no “Teste de Alfabetização” e 87% no “Teste de politização” (Lyra, 1996:171).
No ano da comemoração do cinquentenário da aplicação do método de alfabetização de adultos do educador Paulo Freire na cidade de Angicos, a governadora do Rio Grande do Norte, Rosalba Ciarlini, assinou, no dia 19 de fevereiro de 2013, um decreto declarando o Ano Paulo Freire da Educação no estado. Uma grande agenda de comemorações foi programada e será desenvolvida para os 50 anos da experiência de Angicos ao longo de 2013, em todo o território norte-riograndense, a ser coordenada pela Secretaria de Estado da Educação, que, através desse decreto, instituiu uma Comissão Executiva, integrada por representantes da própria Secretaria e demais parceiros. Até 19 de março deverá ser apresentada uma programação detalhada.
Todo e qualquer evento a ser realizado deverá considerar a memória e a experiência daqueles que foram os protagonistas deste importante projeto, alfabetizandos e monitores. Também serão instituídas premiações para experiências exitosas de alfabetização e de educação de jovens e adultos realizadas na atualidade.
O Rio Grande do Norte ainda comprometeu-se a desenvolver, durante este ano, a construção de um Plano Estadual de Educação de Jovens e Adultos, que contará com a participação democrática de professores e gestores de EJA das escolas estaduais, visando a construção de uma nova proposta curricular para a EJA que integre educação, trabalho, cultura, tecnologia, meio ambiente, direitos humanos e cidadania.
Com o decreto, fica clara a preocupação do estado em ampliar as políticas de alfabetização de jovens, adultos e idosos, visando universalizar o acesso à educação em todo o território estadual e o pensamento freiriano como inspirador de uma nova política pública educacional para o Rio Grande do Norte.